Rejeição de Links Externos: Google Disavow Links

Rejeição de Links Externos: Alternativa Disavow Links

Alipo Centivilli

O Google lançou um programa chamado Disavow Links para resolver muitos problemas criados por links externos (também chamados de backlinks e inbound links) na formação de AUTORIDADE DO SEU SITE. Vou falar sobre as questões envolvidas, os principais pontos do programa e no final orientarei como proceder para usar o programa.

Eterno Problema de se Ter AUTORIDADE DE CONFIANÇA

Criar uma AUTORIDADE é um dos principais instrumentos, em meio a mais de duzentos e mais alguns, que o Google usa para indicar a popularidade de um site e as posições que deve ocupar nas buscas orgânicas. Uma vez que, quanto melhor colocado nas buscas mais visitas recebe o site, generalizou-se o uso distorcido de links externos para aumentar sua autoridade. No princípio do Google o pagerank foi utilizados como a fermenta que determinava a qualidade e posição de um site nas buscas. Com o tempo foram se agregando outros métodos de avaliação e hoje, como disse, são mais de duzentos. O pagerank se foi e ficou o tal de AUTORIDADE DO SITE.

O pagerank

O pagerank era uma das principais referências de avaliação automática do site e seu peso tinha variado ao longo dos anos conforme mudanças em alguns de seus conceitos e de distorções criadas pelos usuários. A última mudança lançada pelo Google tem o nome Penguin, um programa que visa identificar links artificiais, em geral comprados, links resultantes de esquemas para aumento do pagerank, links resultantes do intercâmbio de links, links de baixa qualidade, etc. O Penguin alcança também duplicações de conteúdos de sites e uso de outras técnicas não recomndadas para projetar o site nas buscas. E estamos na era de AUTORIDADE DO SITE, alguns sites chamam de UR e DR, e etc…

disavow links

Essa busca por autoridade confiável tem se mostrado uma busca eterna e mesmo o Penguin tem muitas falhas. O que me chama atenção é a obtenção da confiabilidade de sites por outras fontes de informação que não os links externos. Mas sim informações de sites especializados que fazem pente fino de sites de determinadas categorias, sejam elas comerciais, profissionais, sociais, políticas, científicas, literárias, etc. Esse processo já começou e só se tornará único quando houver número suficiente de organizações que forneçam esses dados.

Atualização Penguin

O Penguin resolveu vários problemas mas criou outros. Os abusos na manipulação de autoridade chegaram a extremos insuportáveis como dar a uma página uma autoridade 30 e, ao mesmo tempo, não haver, no index do Google um único link apontando para ela – eu sequer consigo imaginar como andaram fazendo isso. Problemas dessa natureza tornam a venda de links “válidos” um desvio “fichinha”. Comentários em blogs, links parceiros, links em livros de visitas, intercâmbio de links, links em incontáveis diretórios, links de propaganda, links de baixa qualidade, páginas de links e outros causaram o rebaixamento nas posições das páginas de muitos sites, e em particular nas buscas pela palavra/frase-chave principal. A intensidade do rebaixamento e até o banimento foram e continuam sendo proporcionais à gravidade da ação.

Links Naturais

O Google prega que o link válido deve ser o link natural, ou seja, o link citado espontaneamente num texto que trata do mesmo assunto ou que tem alguma semelhança com o site de destino. Isso é um estreitamento grande para se melhorar a autoridade do seu site. Imagine você a dificuldade de uma loja para obter links naturais. E veja o círculo vicioso: se não recebe links, não aumenta sua autoridade. Se não aumenta sua autoridade suas chances de melhorar de posição diminuem muito. Se não melhora de posição recebe menos visitas, o que reduz as chances de ser citada por alguém via link natural. Mas em princípio esta é a regra atual válida para se contar um link que aumenta sua autoridade. A existência de links não-naturais não implica necessariamente em punição – eles podem ser simplesmente ignorados pelo Google.

Problemas Criados pelo Penguin

Mas o Penguin criou outros problemas para os usuários. Por exemplo, tudo indica que links pagos para se fazer propaganda de um site foram penalizados. A propaganda em um site de tráfego grande gera tráfego para o primeiro site e, de quebra, contribui para aumentar sua autoridade. (A alternativa para se fazer esse tipo de propaganda é colocar a diretiva rel=”nofollow” no link. Entretanto há algumas discussões em torno do seu uso. Para alguns ela leva o site a figurar no index do Google como de baixa confiabilidade.

Ou seja, você paga pela propaganda e é “punido” em algum grau. O Google não veio a público, pelo menos que eu saiba, para confirmar ou negar tais versões. ) Por outro lado, para recuperar posições os wembasters e donos de sites tinham de entrar em contato com o site que gerava o link e pedir sua exclusão. Mas muitos não atendiam e não atendem aos pedidos. Se são sites criados ou usados para colocar maus links com o objetivo de derrubar os concorrentes, então nem se fala.

Ao mesmo tempo webmasters passaram a cobrar pelo serviço de exclusão, num verdadeiro processo de extorsão. O programa de Exclusão de Links Indesejáveis do Google veio resolver muitos desses problemas. A exclusão de links passou a ficar na mão de quem recebe o link, o que torna seu pagerank mais confiável. Mas o Google pode recusar todo ou parte de um pedido de exclusão.

Quem deve Usar o Programa

Não se afobe. O Google recomenda que só devem usar o programa de Exclusão de Links Indesejáveis aqueles que receberam mensagens via email e pelas Ferramentas de webmasters informando que foram encontrados links não-naturais no site, indicações de links comprados, indicações de participação em algum esquema de links para manipular sua autoridade, presença de links de baixa qualidade e ojutras distorções. Se você não recebeu tal mensagem não há motivos para usar o programa.

Em 2013 o Google lançou duas atualizações do Penguin, Penguin 1.0 e Penguin 2.0. O objetivo é filtar links externos de baixa qualidade. A novidade é que os sites com links de baixa qualidade tiveram suas posições rebaixadas. Se o seu site sofreu esta penalização, é hora de usar o programa de exclusão de links.

Tenha em mente que o Google espera que você faça por ele um trabalho: eliminar todos os links de baixa qualidade e também links não naturais. Links de baixa qualidade são os oriundos de sites de pouca reputação, assim como sites não relacionados ao tema do seu site e também os oriundos de diretórios de baixa qualidade. Links naturais são aqueles obtidos para incrementar o pagerank artificialmente, tais como comentários em livros de visitas, comentários em blogs, propagandas, parcerias, links comprados ou alugados, etc. O melhor a fazer é pedir a remoção desses URLs.

Como Usar o Programa de Exclusão de Links Indesejáveis

Vamos citar as etapas:

1. Recepção de mensagem enviada pelo Google de presença de links não-naturais e/ou Levantamento de links não-naturais pelo caminho abaixo indicado.
2. Entrar nas Ferramentas de Webmasters.
3. Acessar o site
4. Acessar os links externos para o site pelas guias Tráfego >> Links para o seu site
5. Clicar em Mais
6. Fazer o download de todos os links listados
7. Mandar mensagens ao webmasters/proprietários de site por site que você julga que tem links que estão em desacordo com as diretrizes do Google – em última instância, sites que apontam links não-naturais.
8. Fazer uma lista dos links remanescentes de acordo dom certas regras que citarei a seguir e enviar o pedido de reconsideração por www.google.com/webmasters/tools/disavow-links-main

O item 7 acima é um tanto problemático. Se você tem centenas ou milhares de links baixados via download o trabalho é enorme: precisa checar site por site e pesquisar os maus links em cada um, incluindo-se nas páginas internas, que podem ser de centenas ou milhares. Mas não é só o tanto de trabalho que está em jogo. Se o site não tem um formulário de busca interna, a busca pelos maus links pode ser inglória. A tendência nessas situações é seguir a intuição e pedir a exclusão de certos sites ou arquivos, o que pode resultar na exclusão de um ou mais links sadios, ou seja, em conformidade com as diretrizes de qualidade do Google.

Se a sua lista resultante de download é grande você certamente encontrará nela links em sites que você nunca viu e para os quais não há a menor chance de tê-los acessado no passado e menos ainda de receber link deles. Encontrará também páginas que não abrem, e ainda muitos sites sem links externos para o seu site, bem como grande número de diretórios. Os links de diretórios em geral são de baixa qualidade – o link para o seu site aparece ali por uma busca natural que seus robots fazem na internet ou porque você casualmente chegou a eles e utilizou um de seus serviços, como por exemplo, determinar sua posição nas buscas para uma dada palavra/frase-chave.

Encontrará links do Google.com.br, google.com, Yahoo, Bing, etc que configuram clara distorção do programa do próprio Google em captar links externos. Não precisa ser especialista para identificar diretórios de baixa qualidade – eles não apresentam nada, exceto um formulário para você colocar sua URL ou listas de categoria que conduzem a sites de todo tipo, desde os muitos bons aos paupérrimos.

Como Preparar a Lista de Links do Pedido de Exclusão

O Google recomenda enfaticamente que antes de preparar sua lista você deve fazer todos os esforços para obter a exclusão manual por meio de emails.

Preparo da lista com o pedido de reconsideração:
1. Preparar um arquivo de texto (Blocos de Notas)
Escrever:
#Lista de domínios a serem excluídos porque não conseguimos resposta aos pedidos de exclusão ou porque não têm página de Contato.

domain:nomedodominio.1.com.br (observe que não há espaços)
domain:nomedodominio2.com.br
domain:nomedodominio3.net
E assim por diante.

#Lista de páginas com links a serem excluídos e que não conseguimos retirar:

http://www.nomedodominio.com.br/nomedoarquivo.html
http://www.nomedodominio.com.bf/pastaA/nomedoarquivo.html
http://www.nomedodominio.org/pastaA/pastaB/nomedoarquivo.html
E assim por diante.

O sinal # que precede o texto de cada lista é considerado comentário, pelo que não é lido e portanto não é aproveitado pelo Google.

Concluída a lista você pode dar a ela a terminação txt. em seguida ir ao endereço citado, https://www.google.com/webmasters/tools/disavow-links-main, e enviar o pedido de reconsideração em Disavow Links.

A lista não deve ter mais de 2MB. Ela pode ser editada posteriormente, ou seja, você poderá voltar a ela e incluir as mudanças que achar conveniente.

O que o Google faz em seguida? Os sites ou páginas excluídos não são visitados pelo Googlebot e, com isso, os links nele existentes são excluídos dos cálculos do pagerank. Se você descobrir algum erro depois poderá reeditar a lista.

Preparado para iniciar a limpeza de seu website?
Caso desejar contratar, nos envie um whatsapp clicando aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *